Select Page

Prefeito vai à Assembleia Legislativa pedir apoio

Prefeito vai à Assembleia Legislativa pedir apoio

Os processos de licenciamento ambiental por parte da Fepam para a exploração de minerais polimetálicos no distrito de Minas de Camaquã, em Caçapava, estão provocando polêmica na região.

Um grupo, formado por produtores rurais, ambientalistas, estudantes e lideranças políticas protesta contra o projeto da Votorantim Metais, em parceria com a canadense Iamgold do Brasil, de instalar uma mineradora para extração de cobre, chumbo e zinco. Outros defendem o desenvolvimento econômico.
Diante das manifestações contrárias, o prefeito Giovani Amestoy (PDT) e o Vice Prefeito, Luiz Guglielmin, viajaram a Porto Alegre na terça-feira, dia 11, para se reunir com deputados do PDT e PSDB e solicitar apoio ao projeto.

– Apresentamos o projeto e sanamos algumas dúvidas dos parlamentares. Eles estavam interessados no ganho econômico do município. Creio que logramos êxito na visita. Na semana que vem já estão agendadas reuniões com as bancadas do PP, PMDB e PSB – informou o prefeito.

Com implantação do “Projeto Caçapava do Sul”, a Prefeitura estima crescimento de 20% no orçamento do município e a geração de 450 empregos diretos e mais três mil indiretos.

Protesto contra a mineração
Mais de 600 pessoas dos municípios que integram a Bacia Hidrográfica do Rio Camaquã e de diversas partes do Estado participaram, na sexta-feira, dia 7, da Jornada em Defesa do Camaquã. Também estiveram presentes os deputados Estaduais Edegar Pretto (PT), Luiz Fernando Mainardi (PT), Regina Becker (Rede) e Luis Augusto Lara (PTB).

O deputado Luiz Fernando Mainardi afirmou que autorizar a mineração significa um retrocesso ao Brasil Colônia, quando portugueses levavam do País as principais riquezas, como o Pau Brasil e o ouro. “Estas empresas não geram desenvolvimento, sugam nossas riquezas e deixam um passivo ambiental muito grande”, justificou o deputado.

A prefeita de Cristal, Fabia Richter, presidente do Consórcio de Municípios do Centro Sul, disse que a mineração é um projeto limitado de desenvolvimento, que produz riqueza para poucos, gera alguns empregos por um pequeno período, mas deixa perdas permanentes nos locais onde se instalam. “Não quero passar para a História como uma pessoa que permitiu a mineração no Rio Camaquã”, finalizou.
Audiência na Assembleia Legislativa

Na próxima semana, acontece a audiência pública proposta pelo deputado Luiz Fernando Mainardi (PT), para tratar dos riscos e perspectivas do Projeto Caçapava do Sul, da Votorantim Metais, para a Bacia Hidrográfica do Rio Camaquã e para o Bioma Pampa. O assunto será debatido dia 19, às 10h, na sala João Neves da Fontoura, Plenarinho, 3º andar do Palácio Farroupilha.

Sobre o(a) Autor(a)

Já nas bancas

Rede Social

Publicidade

Publicidade