Denominada através de Lei Municipal nº 972/1998, a Rua Avelino Lemos da Silveira está localizada no Bairro Pinheiro, entre as ruas Francisco Xavier Henriques e Oscar Marques, logradouro 465. A distinção é uma homenagem do Poder Público ao cidadão caçapavano que foi escriturário, contador e tesoureiro do Município.

Avelino Lemos da Silveira nasceu em 07 de janeiro de 1901 na localidade de Seival, neste município, filho de José Vicente da Silveira e Felícia Lemos Silveira. Foi alfabetizado por professora particular contratada por seus pais, no local onde moravam.

Aos 11 anos de idade, chegando à cidade foi matriculado no colégio regido pelo professor Francisco Coelho Leal e, no ano seguinte, na escola dirigida pela professora Waldemira Pinto. Posteriormente, com a decisão da professora Waldemira de não mais aceitar rapazes em sua sala de aula, ficou o jovem Avelino sem escola, passando então a frequentar aulas noturnas de pouca duração, quando surgiam.

Nesse período, empregou-se no comércio como balconista e continuou a auxiliar o pai nos serviços da lavoura e olaria, entre outros. Em 1920, ingressou no Banco Pelotense como praticante e logo passou a escriturário, cargo equivalente a contador, substituto legal do gerente à época, os quais exerceu nas agências de Caçapava e Cachoeira do Sul.

Em 14 de março de 1925, aos 24 anos, Avelino Lemos da Silveira casou-se com Aliny da Costa Alves, com quem teve 05 filhos: Maria Augusta, Dorothy, Anna Zoé, Geraldo e Regina.

No ano de 1929, a convite do então intendente eleito doutor João Faria de Oliveira Lima, foi nomeado Tesoureiro da Intendência Municipal e, mais tarde, transferido para o cargo de Contador. Em 1937, afastou-se da Prefeitura e passou a exercer as atividades de Contador no Engenho da firma Alvino Dickow, no município de Cachoeira do Sul. Em 1940, através do Ato de nº 6, de 15 de fevereiro, retornou ao cargo de Contador na Prefeitura Municipal de Caçapava do Sul.

Em 23 de março de 1944, através da Portaria nº 42, foi designado para exercer a Chefia do Executivo, em virtude do afastamento do prefeito João Faria de Oliveira Lima, para tratamento de saúde. Também exerceu o cargo em algumas oportunidades durante governo do prefeito Olavo Menezes Saldanha.

Em 1959, através de Portaria nº 143, Avelino recebe Voto de Louvor da municipalidade, concedido pelo prefeito Celestino Granato Goulart, pela participação em Congresso Estadual de Contadores e pelo esmerado desempenho funcional junto à Contadoria do Município.

Avelino Lemos da Silveira aposentou-se do cargo de Contador por tempo de serviço, em 03 de outubro de 1961, mas, a pedido do então prefeito Olavo Menezes Saldanha, diante das dificuldades de um profissional da área, continuou exercendo a contadoria do município até o governo de Elpídio Cidade.

Avelino Lemos da Silveira era um cavalheiro muito educado, daqueles que quando saía com sua amada Aliny, no seu fusca verde, fazia a gentileza de abrir e fechar a porta do carro. Formaram, sem dúvida, um exemplo de casal.
Avelino Lemos da Silveira faleceu no dia 04 de fevereiro de 1993, aos 92 anos de idade.

Nota da Colunista
Certa vez, participei de um concurso fotográfico com uma foto daquele casal, de braços dados, sob o título “O Amor é Nosso”, que eu tanto admirava. Era o registro de como os dois viviam. E recentemente quando a família realizou um Encontro dos seus descendentes, para surpresa minha e como homenagem e recordação aos participantes foi confeccionada uma camiseta ilustrada com a referida fotografia. Confesso que fiquei gratificada pelo trabalho profissional da época e emocionada ao ser também distinguida com tão significativo presente.

Fátima Jovane Nunes
Pesquisadora