Estamos vivendo em plena era digital, na qual as redes sociais se tornaram um importante meio de comunicação. Comunicamo-nos com muita facilidade com praticamente o mundo todo, e temos a liberdade de opinar e manifestar nossa intolerância sobre os mais diversos assuntos em questão.

Lendo um artigo de Moisés Sbardelotto, me chamou atenção o quanto a intolerância já está presente no meio de católicos, o que podemos chamar de intolerância intracatólica e/ou antievangelização em rede! Partilho, resumidamente, com vocês esse tema da intolerância abordado com propriedade por Moisés, tão presente no meio de nós.

Hoje, nos contatos por meio da internet, toda opinião é passível de outra opinião, em sentido frontal e agressivamente contrário. Não basta gostar ou desgostar de algo! É preciso também desgostar daqueles que gostam daquilo que não gosto. A raiva e o rancor se digitalizam e permeiam sites e redes sociais digitais mediante expressões de intolerância, indiferença, desinformação, negacionismo, difamação, discriminação, preconceito…

Nossas redes sociais estão contaminadas pelas FAKE NEWS, gerando uma lamentável e verdadeira desordem informacional. Nesse contexto, a Igreja não fica isenta disso. As interações em rede entre pessoas que se identificam publicamente como católicas evidenciam um panorama semelhante. A intolerância intracatólica se manifesta na comunicação de opiniões agressivas, repressivas ou violentas contra o diferente e a diferença dentro do próprio catolicismo. Desse modo, a pessoa que está do outro lado da tela já não é mais um irmão de fé, mas apenas alguém sobre o qual se descarrega todo o próprio ódio pessoal, camuflado de defesa da tradição, da doutrina e da liturgia, com citações artificiosamente pinçadas da Bíblia e do Catecismo.

Precisamos, em tempo, nos tornar mais tolerantes com os que pensam diferentes de nós. Jesus afirma: “Nisto, todos conhecerão que sois meus discípulos: se vos amardes uns aos outros!” O diálogo respeitoso e amoroso nas redes sociais, inspirado na mansidão e no amor cristãos, favorece reconhecer, do outro lado da tela, um ser humano com a mesma dignidade que eu, uma criatura infinitamente amada pelo Pai, uma imagem de Deus, um irmão redimido por Jesus Cristo. Isto é ser Cristão! Sintamo-nos motivados a usar bem as redes sociais com o objetivo de evangelizar! Que o Amor seja a nossa medida, inclusive nas redes sociais!