Esse tema do batismo de crianças ainda não é suficientemente compreendido por muitos de nós. Batizar ou não a criança ainda pequena? Esperar ou não que se torne adulta para receber o batismo? São perguntas que merecem esclarecimento da nossa parte, razão pela qual partilho com os leitores a visão da nossa Igreja sobre esse assunto, segundo o Ritual de Batismo de Crianças.

O Ritual de Batismo de Crianças deixa bem claro que crianças são todos aqueles que ainda não atingiram a idade de razão e não são capazes de professar a própria fé. Desde os primeiros séculos, a Igreja, que recebeu a missão de pregar o Evangelho e batizar, batizava não só os adultos, mas também as crianças. Pelas palavras do Senhor, “Quem não renascer pela água e pelo Espírito Santo não poderá entrar no Reino de Deus”, a Igreja sempre entendeu que não devia privar do batismo as crianças, uma vez que são batizadas na fé da mesma Igreja, que é proclamada pelos pais, padrinhos e todos os presentes. Neles, está representada a Igreja local e toda a assembleia dos santos e dos fiéis: a mãe Igreja, que gera todos e cada um.

É necessário, contudo, para completar a conscientização do sacramento, que as crianças sejam, depois, instruídas na fé em que foram batizadas: fundamento disso será o próprio sacramento, antes recebido. A instrução cristã, que por direito lhes é devida, nada mais visa senão a levá-las paulatinamente a aprender da Igreja o plano de Deus em Cristo, para que elas finalmente tomem consciência da fé em que foram batizadas e a abracem pessoalmente.

Os seres humanos, libertos do poder das trevas, graças aos sacramentos da iniciação cristã, recebem o Espírito de filhos adotivos e celebram, como todo o povo de Deus, o memorial da morte e da ressurreição do Senhor. O batismo os incorpora a Cristo, tornando-os membros do povo de Deus; perdoa-lhes todos os pecados e os faz passar, livres do poder das trevas, à condição de filhos adotivos, transformando-os em novas criaturas pela água e pelo Espírito Santo; por isso, são chamados filhos de Deus, e realmente o são. Assinalados na crisma pela doação do mesmo Espírito, são configurados ao Senhor e cheios do Espírito Santo a fim de levarem o corpo de Cristo quanto antes à plenitude. Finalmente, participando do sacrifício eucarístico, comem da carne e bebem do sangue do Filho do homem, e assim recebem a vida eterna e exprimem a unidade do povo de Deus, oferecendo-se com Cristo, tomam parte no sacrifício universal, no qual toda a cidade redimida é oferecida a Deus pelo Sumo Sacerdote; e ainda suplicam que, pela abundante efusão do Espírito Santo, possa todo o gênero humano atingir a unidade da família de Deus.

De tal modo, se complementam os três sacramentos à iniciação cristã, que proporcionam aos fiéis atingirem a plenitude de sua estatura no exercício de sua missão de povo cristão no mundo e na Igreja! Portanto: Não deixem de batizar vossos filhos e filhas ainda pequenos. São merecedores dessa grande graça de Deus! Depois do batismo, oportunizem aos vossos filhos a participação na Igreja, local privilegiado para que essa fé possa crescer e ser alimentada.