Este momento está sendo muito cruel para aqueles que buscam estar bem informados, principalmente quando a busca é do geral e de todos os continentes. Na verdade, o mundo ficou menor com o evento da internet, onde é possível, num click, acessar o universo da informação. Parece muito fácil, e era, mas a concentração de foco em apenas alguns assuntos dificulta conhecer o todo. No Brasil, as buscas vão esbarrar em poucos assuntos que estão amplamente divulgados e ocupando muito espaço da mídia.

 

Pandemia

A pandemia, por exemplo, invade e absorve jornais, televisão e rádios deixando espaço diminuto para outros assuntos. E o pior de tudo é que são escolhidas as piores e mais impactantes notícias e análises na briga pela audiência. Já faz mais de doze meses que este é o principal cardápio apresentado. Claro que é um assunto importante, pois atinge a todos e em todos os lugares, mas é possível que exista outros assuntos do dia a dia que seriam importantes serem abordados. Fazendo uma viagem por outros continentes e países, também é possível perceber que o assunto pandemia é bastante explorado, mas, por aqui, ele ocupa mais espaço. Agora, por exemplo, o foco está na falta de vacinas para a segunda dose em praticamente todo o país. Como existia um comprometimento na produção tanto do Butantã como da Fiocruz, o Ministério da Saúde autorizou que, ao invés de guardar as vacinas para a segunda dose, fossem aplicadas como primeira. E aí, como estes institutos dependem de insumos de fora para a produção, no momento que estes deixam de cumprir o prometido, tudo fica prejudicado. A mídia insiste em procurar culpados, prefeitos, governadores, Ministério, etc. ao invés de ouvir aqueles que realmente podem informar a realidade. Porque deixam de serem ouvidos representantes de organismos responsáveis pelo envio desta matéria-prima imprescindível? Raras são as vezes que os produtores se manifestam sobre estas dificuldades. E isto tudo vai ocupando quase que a totalidade do espaço nos meios de comunicação. Sem dúvida nenhuma, as pessoas deixam de receber outras informações importantes e necessárias para um melhor entendimento do momento.

 

CPI da Covid

Agora surgiu outro assunto que está monopolizando os espaços da mídia. Será que inexiste outros assuntos também importantes, principalmente os positivos, que noticiem andamento das reformas ou projetos de interesse nacional? Às vezes aparecem favorecimentos, verbas e benefícios ao Legislativo, mas logo são esfriados. Será que a produção deste ano vai ficar apenas na Comissão Parlamentar de Inquérito da Covid? E a agenda positiva fica aonde?

 

Interferência do Judiciário

Poucos imaginavam que o Poder Judiciário poderia influir tanto na vida do brasileiro e no destino de uma nação. Discute, interpreta, analisa e decide sobre ações de outros poderes, como Executivo e Legislativo. Até na CPI do Covid já existe a interferência do Judiciário. Um juiz decide, e outro reforma. Um manda prender, e outro solta. Sentenças são discutidas e anuladas. Nos escândalos de corrupção, aquele que paga é preso, e o que recebe fica solto. Hoje, a credibilidade do poder judiciário está bastante abalada.

 

O que sobra?

Retirando, por exemplo, estes assuntos abordados e as criticas ao Presidente, sobra pouco espaço para outras notícias, mas existem. Por exemplo, por que os Estados e municípios, em plena pandemia, passaram a pagar os seus funcionários e compromissos em dia? Todos sabem que a economia caiu muito em 2020, e vai continuar com dificuldades em 2021. A consequência disto é menor arrecadação de impostos. Menos receita significa grandes dificuldades ao Poder Executivo Municipal e Estadual. É raro ver relatos de redução de despesas. Será que aconteceu uma mágica que veio para irrigar de recursos os que antes estavam sempre de pires na mão, solicitando socorro financeiro? É possível especular que a pandemia foi positiva para as finanças de Estados e municípios?

 

Pense

Quem não tem solução virando a página, terá solução mudando o livro.