Os acontecimentos da semana me fizeram lembrar um texto de meu livro do primário: um ancião estava à beira da morte e, conhecendo as fraquezas dos filhos, quis fazer-lhes as últimas recomendações. Chamou um por um e mandou que trouxesse um feixe de lenha. Pediu que tentasse quebrar em pedaços menores. Nenhum deles conseguiu. Então, chamou todos ao mesmo tempo e deu-lhes a mesma ordem. Juntos, eles conseguiram quebrar o feixe ao meio. A moral da história – todo texto, na escola, tinha uma lição de vida – é que sozinhos, pouco podemos, mas a união faz a força.

Fiquei pensando: muito bem se o objetivo é louvável, mas, como tudo na vida tem o outro lado, o que acontece quando a união é voltada para o mal?

Pois acontece a todo o momento. Uma pessoa tímida por natureza se entusiasma e torna-se um audacioso membro do grupo que só quer destruir.

Cobra-se muito das autoridades quanto ao destino da arrecadação de impostos. Que ela sirva para criar melhores condições de vida aos cidadãos. Como esperar que só o governo tenha esse dever? O que dizer dos vândalos que destroem o que foi construído ou renovado? Por que o monumento de Paixão Côrtes, entre outros, precisa de constantes reformas? E o dinheiro dos impostos, aonde vai?

Tenho acompanhado as obras de reurbanização de Porto Alegre, a orla do Guaíba, os parques, as praças, os monumentos e os logradouros públicos. Fico até com vontade de ir lá apreciar. Mas, a violência no trânsito, os assaltantes, e tantos outros perigos de cidade grande me dão medo.

É uma graça a gente poder contar com a beleza ao nosso redor. Ela nos enche de energia e vontade de viver. As obras de famosos grafiteiros estão dando novo colorido ao Centro Histórico da Capital, criando uma galeria de arte a céu aberto. Alina Souza, consagrada jornalista-fotógrafa do Correio do Povo, diz que é um prazer novo o trajeto para o trabalho admirando essas obras.

Aqui também já tivemos talentos promissores nessa arte que, em vez de poluir nossos muros, conseguiu embelezá-los.

Ah, como ainda falta educação ao nosso povo!