Quanta coisa mudou e, agora, com a quarentena da pandemia, tivemos mais tempo para notar. É só assistir a algumas sessões do Congresso. Os debates começam com “Vossa Excelência” e, pouco a pouco, vão descambando até chegar aos palavrões.

As redes sociais não ficam atrás. Vizinhos se xingam, formam panelinhas para ironizar ou ofender alguém da quadra que não morre de amores por suas ideologias.

Na Vila Harmonia – vamos chamá-la assim –, o clima chegou a uma polarização total, a exemplo do que está ocorrendo no país. Os amigos da Fulana fecham a cara – ou os postigos – quando alguém do outro grupo passa por sua casa. Chegam até a atiçar os cachorros.

Aquela vizinha que antes costumava ir de xícara na mão pedir um pouco de arroz, farinha ou açúcar na casa do lado é a mais tinhosa de todas. Vai para a janela e fala bem alto na cobra venenosa que mora mais próximo. A mesma que tantas vezes a socorreu nas horas de vacas magras.

Pois é, as guerras também acontecem em nosso cotidiano, longe dos campos de batalha.

A vida seria mais prazerosa se vivida com mais gentileza! Custa muito um sorriso, um bom dia, como vai? Um elogio sincero faz brilharem os olhos de quem o recebe, e tem a validade, no mínimo, de uma semana. Dá vontade de ser melhor, cada vez mais.

Mas, nesta semana especial, algo serviu para unir-nos em aplausos de brasileiros e gaúchos. Nossos atletas estão brilhando nas Olimpíadas de Tóquio. E a cada nova vitória, nossos corações explodem na mais justa alegria, a de sermos bons, esforçados, amantes da paz e do crescimento.

Então, vemos o lado bom de nossa gente. Gente que luta, que acredita num ideal, que não desiste de fazer o certo, de crescer e elevar o conceito de nosso povo. Não somos apenas o país do Carnaval ou das praias. Somos um povo inteligente, artistas na música, na poesia, em esculturas, em pinturas e em descoberta de novos talentos.

Quem fala que o nordestino é preguiçoso, admire-se agora com as vitórias de Raíssa no skate, que lhe custaram muito esforço, dedicação e trabalho também de sua equipe. Emocione-se com os cantores, compositores e repentistas que falam das belezas daquelas paragens. E também das suas misérias, falta de infraestrutura, a começar pelas estradas barrentas, que dificultam o transporte de seus produtos naturais,

É de admirar nosso gaúcho que não abandona seus pagos, mas o moderniza com equipamentos que os fazem mais produtivos. Seus artistas, poetas, escritores, compositores, cantores, que cantam sua terra e a enaltecem. As empresas que crescem apesar dos entraves. A inteligência daqueles que inovam em atividades para sustento de seus lares, nessa onda de falta de empregos. Os paulistas, suas indústrias, tecnologias, laboratórios, universidades e contínuas descobertas para erradicar doenças e tornar nosso povo saudável e batalhador.

Temos mil e uma razões para orgulhar-nos, ainda mais agora que a CPI está desvendando o lado escuro da nossa democracia. Quando os representantes do povo que os elegeram só legislam em seu próprio benefício, esquecendo logo suas promessas de campanha. E o povo está acordando.

O que poderia salvar-nos neste momento? A Educação, que ilumina as mentes e promove as escolhas acertadas.