Dia 09 de março de 2018, fechou-se o livro de atas das amigas e clientes antigas de Sônia Gervásio de Freitas. Ela nos deixou, depois de longa enfermidade.

Sônia teve um Salão de Beleza muito movimentado, no auge da vida social de Caçapava. No tempo dos bailes com orquestras famosas, num Club União que deixou saudade, das novenas do Divino, das Exposições, das grandes festas de quinze anos, de bodas e de casamentos requintados.

Pequena e ágil atendia a todos com a maior solicitude, sem aparentar cansaço, sorrindo e se inteirando dos problemas de suas freguesas.

Ali não havia fofocas, só comentários dos mais recentes acontecimentos. Em dias de festas, uma atendente distribuía fichas, conforme a hora da chegada. Naquela sala, apinhada de jovens senhoras e mocinhas indecisas, foi se estabelecendo amizades, que perduram até hoje.

Sônia, bem mais tarde, aposentou-se. E ficou aquele vazio, aquela falta de comunicação entre as mulheres. Isso foi parcialmente resolvido, pelo chá anual, que ela nos oferecia.Seu aniversário, 11 de abril, era o motivo para o encontro.

Havia correria com a lista de assinaturas e o dinheiro para um bom presente. Todas eram mais que solícitas e queriam aumentar o valor a cada ano. Márcia, às vezes, dava as dicas do que a mãe gostaria ou precisaria para sua casa.

Sônia nem caminhava, ela voava por aquele calçadão afora nos preparativos. Anunciava às que encontrava: o chá já está “mermando”.

Aliás, ela tinha termos próprios no seu vocabulário: calvariando, aranhando, pelegueando.
No dia as “meninas” chegavam faceiras, nos seus melhores trajes e, literalmente enchiam a sala decorada com as artes de sua dona.

Não era um chá comum. Era uma festa na alegria de todas, no esmero daqueles salgadinhos, das tortas, das cestinhas de chocolate e do famoso chá já mermado, com gosto de cravo e de canela.

Para finalizar, chegava a minha vez de fazer uma ata, pegar as assinaturas e, posteriormente, ler em voz alta numa tribuna pré-fabricada, sob os aplausos da torcida. Ela continha recordações, brincadeiras e homenagem àquela figurinha amada unanimemente.
Muitas companheiras partiram, o que era motivo de grande tristeza para o grupo. Lembro da Maria Marques, da Geni Coradini, da Cora Haag, da Elsa e da Hélia, da Diva, da Amélia, da Genita, da Zaira Abdalla…

Tantas! Todas queridas.

E agora vai embora para sempre a nossa Sônia.

Livre de suas dores e angústias deve estar preparando lá no alto, alguma coisa inusitada para unir e agregar os anjos.

Esta foi a última ata, que ofereço à sua memória.

Maria Augusta Silveira Alves