Jaime Dalmazo, engenheiro agrônomo da Cotrisul
(Foto: Marcelo Marques/Gazeta)


Segundo o engenheiro agrônomo da Cotrisul, Jaime Dalmazo, o cenário da cultura da soja é bastante distinto no município, dependendo da localidade onde é observada. Nas regiões da Parada Mário, Bom Jardim, Picada Grande, Fomento, Caldeirão e Coxilha São José segue em situação de alerta, com significativo número de lavouras apresentando diminuição acentuada do potencial produtivo.

O mais preocupante é que, por parte da meteorologia, não há prognóstico de chuva expressiva para esta região do Estado, diminuindo consideravelmente a possibilidade de recuperação, por mínima que seja, das lavouras.

– Por outro lado, na região do Seival e Durasnal prossegue o desenvolvimento normal, com grande potencial produtivo, com previsão de colheita de 2.400 quilos por hectare. Nas áreas que sofrem com a estiagem a previsão é de 600 quilos por hectare. No município foram plantados 22 mil hectares com soja – informa Dalmaso.

A cultura do arroz não sofreu com a estiagem. A colheita deverá começar no dia 15 de março. Em Caçapava foram plantados 7 mil hectares. O alto custo da produção e o preço baixo de venda do grão são os problemas enfrentados pelos agricultores.