Select Page

Emater utiliza método tradicional para monitorar colheita da soja

Emater utiliza método tradicional para monitorar colheita da soja

Método do copo medidor permite quantificar as perdas totais da colhedora e da plataforma de corte
(Foto: Carina Venzo Cavalheiro/Emater-RS)

 

Com 90% da safra de soja já colhida, os agricultores do município de Candelária juntamente com os extensionistas da Emater/RS-Ascar fazem o diagnóstico referente aos índices de produção perdida no ato da colheita. Para tanto, é utilizado o método do copo medidor. A tecnologia desenvolvida pela Embrapa permite quantificar as perdas totais da colhedora e da plataforma de corte.

A técnica tem como objetivo alertar os produtores quanto às perdas ocorridas no momento da colheita da oleaginosa. “Observamos que há casos em que as perdas estão abaixo do tolerado, que é de até um saco por hectare. Entretanto, há situações em que as operações de colheita devem ser ajustadas para reduzir a perda de produto”, explica o engenheiro agrônomo da Emater/RS-Ascar Adriano Roque de Gasperin. Segundo o extensionista, os índices de perda na colheita nas lavouras de soja do município variam de 0,8 até 3,0 sacos por hectare, sendo colhidos em média 55 sacos por hectare.

Nos últimos anos, a área cultivada com soja em Candelária tem aumentado. Dados da Emater/RS-Ascar apontam que na safra 2015/2016 foram plantados 17 mil hectares e, 17,5 mil hectares na safra 2016/2017. “Muitas propriedades familiares têm optado pela cultura como fonte de renda familiar, sendo que alguns agricultores que anteriormente contratavam o serviço de colheita têm decidido adquirir sua própria colhedora. Atualmente, existem muitas marcas e modelos de colhedoras de diversas idades e estado de conservação. No entanto, colhedoras desajustadas pode ser uma causa de perdas de produto na execução da colheita. Velocidade excessiva da colhedora, relevos irregulares e fatores climáticos também ocasionam perdas”, lembra Gasperin.

Outro fator que influencia nas perdas das lavouras é o índice de umidade dos grãos. O tempo seco registrado na região nas últimas semanas intensificou a colheita, mas favoreceu a perda de água dos grãos. “Em alguns casos constatamos um teor de umidade no grão de 9%, o que por si só já causa prejuízo ao produtor. O percentual máximo recomendado de umidade é de 14%, visto que se o agricultor tiver um produto com teores de umidade acima deste valor será descontada a umidade excedente, ou seja, haverá desconto no peso do produto. Entretanto, se o teor de umidade for abaixo do tolerado, o produtor perderá dinheiro, pois seu produto perdeu peso”, finaliza Gasperin.

A expectativa é de que, se permanecerem as boas condições climáticas, a colheita seja finalizada em dez dias.

Por Carina Venzo Cavalheiro
Emater-RS

Sobre o(a) Autor(a)

Já nas bancas

Curta nossa página

Publicidade

Publicidade