Pessoas que participaram da Reunião Geral de Encerramento e Avaliação da Feira do Livro
(Foto: Lislair Leão Marques)

Pedro Vanolin, Marizete Dotto, Zilamar Ferreira, Ana Lúcia, Adriana, Jaqueline (ECC), Rosalilia Delabary, Rivadavia Severo, Letícia Guterres (APAE), Nara (PTG), Dulcina, Ana Lúcia (Paróquia), Marilene Perez (Liga), Lúcia Schmidt, Maria Teresa (PTG) e Cleusa Rodrigues (Banco da Amizade).


NOTA DIVULGADA À IMPRENSA

Em reunião realizada no dia 21 de junho informamos ao presidente da Câmara Municipal, vereador Ricardo Rosso, que a Feira do Livro, em 2017, obteve um resultado final positivo acima de oito mil reais. Dissemos-lhe que dentro deste “lucro” não está embutido nenhum recurso público.

Trata-se do resultado positivo alcançado com a venda dos livros. Referi-me ao produto resultante de dez dias de comercialização, nos onze estandes, onde trabalharam centenas de pessoas. Foram duas viagens à Porto Alegre, uma para buscar os livros e outra para levar as sobras, executadas pelo nosso Xerife Luiz Hugo, exigindo uma “logística” bem planejada, para não deixar livros para trás.

Apurado o resultado e apresentado na Reunião Geral de Encerramento e Avaliação, submeti ao grupo a seguinte proposta de distribuição: daríamos a cada estande R$ 250,00, simbolizando nosso reconhecimento pela dedicação e persistência no trabalho desenvolvido. Daríamos R$ 2.500,00 para a Paróquia N.S. da Assunção, cujo CNPJ usamos para nossas transações comerciais e cuja equipe trabalha junto conosco dando suporte para toda a documentação que é feita em nome da Paróquia, com a assinatura do Padre Rudinei Lasch e participação direta do escritório de contabilidade de Cachoeira do Sul.

Também comentei com o presidente Ricardo Rosso que, se fôssemos alugar um local para fazer a Feira do Livro, usando estrutura completa por quinze dias, não sairia por menos de seis mil reais.

Como de costume decidimos destinar R$ 2.500,00 para a manutenção da Igreja Matriz, com a administração deste coordenador, como já aconteceu em outras ocasiões. Defendemos perante o vereador a ideia de que nossa Igreja Matriz é o ponto turístico mais visitado do município, afirmação esta amparada nos registros dos guardiões da Matriz.

Como toda a comunidade sabe nosso trabalho é voluntário mas, achei por bem, comentar com o presidente da Câmara, na presença da parcela da equipe que me acompanhou, que a mão de obra, para realizar a Feira, se fosse paga, seria de quase R$ 30.000,00. Quem desejar tenho o cálculo detalhado comigo, pois ele faz parte do nosso Plano de Trabalho, apresentado à Prefeitura Municipal, no subtítulo onde mostramos a nossa contrapartida para a verba solicitada.

Confirmo a importância da nossa parceria com a Câmara Municipal, que vem se consolidando ao longo dos anos. Confirmo que sempre esteve representada durante as dez noites da nossa Feira. Sem a Prefeitura e sem a Câmara não teremos como realizar a Feira. Precisamos do apoio destes dois órgãos públicos e dos empresários que nos tem prestigiado, além das entidades e demais simpatizantes, para podemos realizar um evento cultural e artístico que é de todos nós.

Pedro Vanolin Macedo
Coordenador da Feira do Livro desde 2006