Há indícios de que o bicho venha se alimentando bem
Foto: Ascom Sema 


Depois de seis meses de procura, foi avistado o gato-mourisco (puma yagouaroundi) solto na natureza por técnicos do Setor de Fauna da Secretaria do Ambiente e Desenvolvimento Sustentável (Sema) em 25 de abril deste ano, após ter recebido cuidados médicos.

O animal havia sido resgatado ao ser encontrado às margens da BR 290, no município de Pantano Grande, provavelmente vítima de atropelamento.

Conforme o biólogo Felipe Peters, que faz o rastreamento do gato-mourisco, há indícios de que o bicho venha se alimentando bem, pois as imagens mostram ganho significativo de massa corporal em comparação à condição verificada nos primeiros dias de soltura.

Segundo o especialista, o único fator preocupante é que o animal não assimilou o perigo, já que continua vivendo nas proximidades da rodovia.

A bióloga do Setor de Fauna da Sema Isabel Salgueiro Lermen explica que as armadilhas fotográficas são ferramentas fundamentais no monitoramento de animais, pois a movimentação e a área de vida ocupada pelo animal, além de outros aspectos da biologia do indivíduo são de extrema importância para qualificar as atividades de soltura.

O gato-mourisco é uma espécie de gato geneticamente próxima ao puma (puma concolor) e encontra-se na lista de espécies vulneráveis e ameaçadas no estado.


Por Catarina Gomes/ Ascom Sema