Selecione a página

“É preciso enfrentar a concorrência sem medo”

“É preciso enfrentar a concorrência sem medo”

Roberto Argenta, presidente da Calçados Beira Rio e investidor do ramo de turismo, falou à Gazeta sobre sua trajetória de empreendedor. Ele palestrou em Caçapava a convite da Acic

Existem muitos motivos que levam uma pessoa a decidir empreender e abrir o próprio negócio. Por exemplo, há quem o faça por não conseguir colocar-se no mercado de trabalho, quem resolva deixar um emprego e tornar-se seu próprio patrão e quem simplesmente tenha um sonho para tornar realidade.

Um exemplo de empreendedor é Roberto Argenta, presidente da Calçados Beira Rio, conselheiro honorário do Recanto Maestro e principal investidor do Hotel Recanto Business Center, Resort e Termas Romanas, Oliveiras e Azeite Maestro. Ele esteve em Caçapava na quarta-feira, dia 15, para uma palestra promovida pela Associação Comercial e Industrial de Caçapava do Sul (Acic), e concedeu entrevista à Gazeta.

Natural de Gramado, Roberto Argenta é formado em Ciências Contábeis pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul.

– Durante o tempo da faculdade, trabalhei em várias empresas, aprendi muito, mas, em determinado momento, achei que deveria começar o meu negócio. Meu último emprego foi de auditor em uma grande empresa, eu revisava o que os outros faziam. Então, decidi tentar fazer. Tudo começou em um barracão de madeira, coberto de zinco, na beira do rio, por isso o nome Calçados Beira Rio – contou.

A empresa foi fundada há 46 anos, e hoje é uma das maiores do setor. Mas por que a opção pelo ramo calçadista?

– Na época, estava muito forte a exportação de calçados para os Estados Unidos, e havia muita demanda, um mercado muito forte. E no mercado brasileiro, estava mais fácil para vender naquele momento. Aproveitando a oportunidade de conhecer um pouco a região calçadista do Vale dos Sinos, começamos a fábrica – explicou o presidente da Calçados Beira Rio.

Segundo Roberto Argenta, o setor calçadista atualmente está em processo de recuperação, focando na exportação dos produtos para a América Latina e vendendo para 80 países. Ele aposta no crescimento do mercado no próximo ano.

Sobre a concorrência do mercado externo, Argenta diz que é normal no mundo globalizado, e que o setor calçadista brasileiro procura modernizar as fábricas e ter um processo produtivo altamente eficaz. E acrescenta que é preciso enfrentar a concorrência sem medo:

– Não podemos nos queixar eternamente de que os chineses são melhores do que nós. Temos que demonstrar que também somos bons, e até melhores do que eles. O mercado sempre foi difícil, a gente que tem que ser bom e fazer produtos bons, bonitos e com competência – afirmou.

Além do setor calçadista, Roberto Argenta também tem negócios relacionados ao turismo. Para quem quer investir nesse ramo, ele diz que é necessário visitar cidades turísticas, como Bento Gonçalves e Gramado, para conhecer um pouco do que o turista gosta.

– Depois, veja que condições você tem para investir em turismo. Esse não é um processo fácil, exige muito investimento e muita infraestrutura. O turista é um cliente muito exigente. E veja quais são as oportunidades que existem onde você está – aconselhou.

Já para quem quer empreender em qualquer setor, Argenta diz que é importante trabalhar muito, dedicar-se ao negócio e conhecê-lo, além de investir tudo que ganhar nesse negócio, capitalizá-lo.

– Se tiver vontade e dedicação, certamente terá sucesso – finalizou.

Foto: William Brasil

Sobre o autor

Publicidade

Ouça nosso Podcast

TV Gazeta – Vídeos

Previsão do Tempo

Publicidade

Publicidade

RESULTADOS

Signos

Publicidade

Publicidade