Jaílson (esq) durante a comemoração do gol de Everton contra o Pachuca
Foto: Lucas Uebel/Grêmio FBPA

O guri que jogava bola nos campos do Seivalzinho (interior de Caçapava do Sul) e na escolinha do Santos, do Roque, no estádio Macedão, disputa neste sábado, dia 16, a partida de futebol sonhada por todo jogador e que atletas famosos não conseguiram realizar. O caçapavano Jaílson Marques Siqueira, 22 anos, volante do Grêmio, vai jogar a final do Mundial de clubes Fifa contra o time de superastros do Real Madrid.

No gramado do Estádio Estrela d’Alva, em Bagé, que despontou o talento de Jaílson. Foi em um torneio regional que o atleta foi observado por Mário Medina, ex-presidente do Guarany, que o levou para um período de testes no juvenil.

No ano de 2014, Jaílson foi para a categoria base do Grêmio. Como não havia espaço no elenco, foi emprestado para a Chapecoense e se destacou, foi decisivo em um jogo pela Copa do Brasil sub-20 contra o Fluminense.

De volta ao Grêmio, Jaílson treinou com os atletas do grupo de transição. Foi utilizado pelo ex-técnico Roger Machado em algumas partidas do Gauchão. Com a venda do volante Walace para o Hamburgo, Jaílson virou titular.

Com contrato até dezembro de 2019, Jaílson conquistou dois títulos, a Copa do Brasil 2016 e Taça Libertadores da América 2017.