Paula MauríciaBrun é natural de Tenente Portela
Foto: Marcelo Marques

 

A Juíza Paula Maurícia Brun irá assumir a Vara Judicial de Butiá no próximos dias. A transferência da Comarca de Caçapava é natural da carreira dos Magistrados e decorre de sua aprovação em edital de remoção. Nesta semana abriu edital de remoção para a primeira Vara. Em breve o município terá dois juízes titulares. No dia 02 de abril assumirá na segunda Vara o Dr. Júlio César Almeida da qual a magistrada está saindo. Antes de ir embora a Juíza concedeu entrevista exclusiva à Gazeta para falar sobre o período que trabalhou na cidade.

Gazeta – Durante quantos anos atuou na Comarca de Caçapava? Em quais varas trabalhou? Em que situação encontrou o Fórum?
Juíza – Assumi como titular na Primeira Vara Judicial de Caçapava em novembro de 2015. Desde abril de 2017 atuo nas duas varas em razão da ausência de juiz titular na segunda vara. Havia um déficit de servidores que se agravou no final de 2016 quando muitos servidores se removeram ou aposentaram. O Fórum de Caçapava ficou com apenas dois servidores em cada um dos cartórios e dois estagiários. Em meados de 2017 tomaram posse cinco novos servidores e dois oficias de justiça o que permitiu agilizar a tramitação processual. Hoje o quadro de servidores está completo.

Gazeta – Qual o maior desafio no trabalho desenvolvido aqui?
Juíza – O maior desafio jurisdicional operacional encontrado foi atender mais de 15.000 processos que tramitam no Fórum em condições abaixo das ideais cuja superação tem se dado pelo engajamento especial da equipe de servidores e pelo esforço do Tribunal de Justiça que atento às demandas desta comunidade enviou novos servidores o que tem permitido melhorar a cada dia a prestação jurisdicional.

Este desafio tem se agravado diante das dificuldades enfrentadas no Brasil e pelo Rio Grande do Sul, especialmente com o congelamento dos gastos públicos nas áreas mais sensíveis como saúde, educação e assistência social, parcelamento de salários e segurança dado que a sociedade busca o Judiciário para salvaguardar seus direitos sociais. Tenho a plena convicção que Poder Judiciário será cada dia mais demandado diante dessas dificuldades e possui um papel fundamental para resguardar àqueles que procuram nossos serviços para a garantia dos direitos de cidadão.

Gazeta – Há algum fato marcante para você neste período?
Juíza – A visita da Corregedora Desembargadora Iris, oportunidade em que reunida com a OAB ressaltou a importância dos advogados para o bom desenvolvimento dos processos, bem como do relacionamento saudável com os servidores para o bem da jurisdição salientando o valor positivo de condutas aderentes e colaborativas como forma de preservar os interesses de toda a comunidade caçapavana.

Gazeta – Na sua opinião, quais os maiores problemas sociais que Caçapava enfrenta?
Juíza – Entendo que não são problemas apenas de Caçapava, mas como referido o Brasil enfrenta uma crise política muito grande, em que os direitos sociais estão sendo reduzidos ou congelados e consequentemente o Judiciário é acionado para assegurar o mínimo para a população. Então, posso dizer que as principais demandas da população em relação aos direitos sociais são acesso à saúde (tratamentos e medicamento) e educação (vagas em escolas e creches). Outro problema grave diz respeito à violência doméstica cuja solução passa necessariamente por políticas educacionais que façam frente ao patrimonialismo, ao machismo e conservadorismo cultural brasileiro. Em relação à criminalidade geral é imprescindível que o Estado se empenhe em políticas de emprego e ocupação para a juventude como alternativa a sua captura pelos esquemas antijurídicos, mais importante, inclusive que o incremento de uma jurisdição repressora.

Gazeta – O que motivou sua transferência da Comarca? Onde irá trabalhar? Está definido quem assumirá a Comarca?
Juíza – Assumirei a Vara Judicial de Butiá. A transferência de Comarca é natural da carreira dos Magistrados e decorre da minha aprovação em edital de remoção.

No dia 02 de abril assumirá na segunda Vara o Dr. Júlio César Almeida e nesta semana abriu edital de remoção para a Vara da qual estou saindo, ou seja, provavelmente, em breve a Comarca terá dois juízes titulares.

Gazeta – Deixe uma mensagem a população caçapavana?
Juíza – Gostaria de agradecer toda a acolhida que recebi nesta cidade, a parceria estabelecida com Poder Executivo, Legislativo, Presídio, Ministério Público, Defensoria Pública, OAB, Polícia Civil e Militar, pois sempre que demandados todos não mediram esforços colaborar com a prestação jurisdicional.

O crescimento da comunidade depende do envolvimento de todos os setores passando por um agir integrado que vise atuar na causa dos problemas indo além de remediar suas consequências. Acredito que o tecido social de Caçapava esteja preparado com pessoas capacitadas para a superação deste imenso desafio. As instituições funcionam, as associações são ativas, os Poderes interagem e o espírito do cidadão caçapavano é desenvolvimentista e humano.