Quando alguém decide qualificar-se e trabalhar, gerar emprego e renda, pagar incontáveis impostos e obrigações sociais, passa a ter a legítima expectativa de recebimento de um mínimo de serviços públicos na cidade onde mora. Estou muito indignado com nossa Caçapava do Sul!

Na saúde, cada vez mais, os médicos que aqui residem estão encaminhando aposentadorias (sem reposição de novos profissionais na mesma proporção). O único hospital da cidade reclama diariamente de sua situação de calamidade financeira, e isto há muitos anos.

Na educação, perdemos a URCAMP e, com sorte, ganhamos a UNIPAMPA, que sofre com cortes orçamentários promovidos pelo (des) Governo Federal. Escolas públicas padecem com deficiências estruturais e humanas, sendo que nossa maior escola municipal encontra-se em estado de improviso por força de interdição parcial.

Na segurança, há carência significativa de policiais civis e militaresna cidade, sendo que, nas noites, não temos plantão na Polícia Civil e apenas uma viatura da Brigada Militar fazendo a ronda em todo o município (com seus muitose esburacados quilômetros de estradas no interior).

No Judiciário, a realidade não é diferente. Temos um juiz para atender as duas varas judiciais locais, além da vara de execuções criminais e juizados especiais. A insuficiência de servidores é tamanha que, há poucos dias, foi iniciado um mutirão de cumprimento de processos (cerca de 14.000 acumulados), com redução do horário de atendimento ao público.

Na previdência, o posto do INSS local encontra-se em estado letárgico, não sendo possível ao cidadão local encaminhar aqui qualquer pedido de benefício. Para tanto, o caçapavano necessita deslocar-se para outra cidade do Estado, submetendo-se a viagens nem sempre prazerosas (ainda mais quando a necessidade seja decorrente de problemas de saúde).

Mas, este caçapavano que necessita viajar para tentar a sorte previdenciária (enquanto há tempo!), não precisará se preocupar com multas da Polícia Rodoviária Federal. Temos um moderno posto da PRF em nossa cidade, construído para fechamento de outros postos próximos (como o de São Gabriel), mas com atividades de fiscalização de irregularidades de trânsito suspensas em razão de cortes orçamentários.

Agora, tivemos um sensível aumento da tributação nos combustíveis, e fomos obrigados a ouvir e a ler que o (des) mandatário da nação imaginava que o povo “entenderia” a medida, diante dos “gastos” do (des) Governo.

Eu não entendi! E não adianta eu querer ir embora do Brasil: a emissão de passaportes pela Polícia Federal também está suspensa.

Antonio Borges
Advogado