Enfim, acabou a eleição, a mais dramática e polêmica desde a redemocratização. Infelizmente, com ela, acabaram-se também amizades, laços de família, coleguismo de trabalho.

Na democracia, mais importante que economia, emprego ou programas sociais são o DIÁLOGO e o RESPEITO. Democracia é, em sua essência, conviver com a pluralidade de ideias, pensamentos, atividades e pessoas, e é nisso que precisamos focar daqui para frente para superar os não poucos problemas que nosso país enfrenta e enfrentará.

Alguns dizem que a principal missão dos governantes eleitos é unificar o país. Mas não é bem assim. Na realidade, é primordial que todos os brasileiros se esforcem para reconstruir os elos desfeitos apenas pela divergência de opiniões.

Não serão o presidente, o governador ou congressistas que farão isso; é uma atitude que deve partir de nós mesmos: a família deve voltar se reunir para o “churras” de domingo, os amigos de infância precisam sair para tomar uma “ceva”, o professor e o aluno necessitam pesquisar e debater para adquirir conhecimento, empregado e empregador impendem se unir para garantir seus sustentos.

Convenhamos: ninguém se tornou um “monstro extremista” (de direita ou esquerda) da noite para o dia; todos, ao fundo, queriam o melhor para o país, porém, com ponto de vista diferentes.

O que mais desejo depois dessa eleição não são bons indicadores sociais ou econômicos: quero, antes de tudo, que as pessoas se vejam e conversem amistosamente além das bandeiras ideológicas, como brasileiros que todos são, fazendo jus à nossa de fama de povo pacífico, alegre e sonhador.

Que não nos falte paz e respeito, a fim de que, com isso, possamos manter firme nossa democracia e, por mais relevante, nossas relações pessoais.

Não é utopia ou fake news: é fé e esperança que tenho no povo brasileiro.

Diego Carvalho Locatelli,
Juiz Eleitoral da 9ª Zona Eleitoral.