Rafael Marchetti, um dos sócios-diretores da empresa
(Foto: Reprodução/Prosperato/Divulgação)

 

A improvável trajetória do azeite Prosperato, iniciada em 2011 no canto de um viveiro da Tecnoplanta, em Barra do Ribeiro, atingiu um novo ápice na virada do ano, com a publicação do Ranking Mundial dos Azeites Extravirgens (Evoowr, na sigla em inglês). A informação foi divulgada pelo Jornal do Comércio, de Porto Alegre.

O ranking, compilação dos prêmios distribuídos pelo mundo em 2017, colocou o Prosperato Premium como o 83º melhor azeite do mundo, único brasileiro na lista de 253 produtos. Braço de uma das maiores empresas de mudas para florestas do País, com quase 1,3 mil funcionários, a Prosperato ainda não chega a 10% do faturamento da Tecnoplanta.

“Em energia, porém, colocamos muito mais nas oliveiras. Ficamos o dia todo falando sobre isso, que é uma coisa apaixonante”, comenta um dos sócios-diretores da empresa, Rafael Marchetti. Filho de um dos fundadores da empresa, Marchetti entrou na Tecnoplanta no mesmo ano em que o novo negócio surgiu como alternativa em período de baixa na indústria florestal. Hoje, aos 24 anos de idade, Marchetti é quase um espelho da própria olivicultura gaúcha: jovem e em constante especialização, dedicando-se a cursos em extração e análise sensorial de azeites em países como Estados Unidos e Espanha.

Leia mais sobre o assunto, confira a entrevista concedida por Rafael Marchetti ao Jornal do Comércio