Eu, Dolores Estel, presidente do Sinpromc, venho a público esclarecer que na reunião do dia 14 de fevereiro de 2018, com o Executivo e alguns secretários, Sindicato dos Funcionários e servidores, em momento algum afirmei que não era empecilho em relação ao reajuste, conforme publicado na mídia pela Imprensa da Prefeitura.

Pelo contrário, afirmei que não era o que esperávamos e nem o prometido. Estávamos reivindicando o reajuste de 6,81% na integralidade conforme prevê a lei e o Fundeb.
Na oportunidade foi nos apresentado pelo Senhor Prefeito o índice de 6,81%, dividido em duas parcelas, a primeira parcela de 2,06% em fevereiro e a outra em julho de 4,75%.

Reputamos, pois o reajuste do Fundeb de 6,81% é para os professores e não para os funcionários, nada contra os mesmos receberem também; mas a lei do fundo é clara e específica para os profissionais da Educação.

Cabe ressaltar que já estava tudo decidido e que a resposta teria que ser naquele momento, quando me posicionei e mencionei em consultar a categoria.

O Executivo alegou que a Câmera de Vereadores tinha sido convocada para o dia 19/02 e a urgência em gerar a folha já para fevereiro.

Na realidade o “circo” já estava montado e o Sinpromc só teve que aceitar as imposições e o canetaço do Executivo.

Deixo aqui registrado o meu descontentamento quanto a Imprensa da Prefeitura, que está afirmando inverdades e publicando coisas que não foram ditas.

Outro fato importante foi o Secretário de Educação não estar presente na reunião.
Esclareço que o aumento não é de 11% como foi divulgado pela Prefeitura, porque 5% são do Vale Alimentação, este não é salário, e não atinge os inativos.

Dolores Stel
Presidente do Sinpromc