Por Gisele Teixeira e Eduardo Baró

Viajar para o *Sudeste Asiático é o sonho de muita gente. Era o nosso também, realizado neste início de 2018, com um roteiro de 30 dias divididos entre a Tailândia, o Vietnã e o Camboja. Incluídos aí dois dias para chegar. É longe!

Começamos pela capital da Tailândia, Bangkok, uma cidade dividida por um rio e atravessada por contrastes. É movimentada e calma ao mesmo tempo, com mais de 400 templos budistas, oferece centenas de mercadinhos de rua, mas também shoppings sofisticados, onde a gente pode se locomover em transportes antigos como o tuk-tuk ou altamente modernos, a exemplo do metrô suspenso. Tudo é diferente. Cultura, idioma, sabores.

Depois, seguimos para a ilha de Koh Lipe, bem ao sul da Tailândia, quase na Malásia. Embora não seja a praia mais famosa, a escolhemos por ser tranquila mesmo na alta temporada. Vale a pena, especialmente para quem gosta de mergulho e sossego, mas há outras ilhas mais perto da capital, como as famosas Puket, Krabi e Ko Phi Phi.

Nossa última parada na Tailândia foi em Chiang Mai, bem ao norte, a segunda maior cidade, capital cultural do país e onde estão templos seculares, como o Wat Phra Singh, de 1345. A cidade é linda também pela natureza de seus arredores, onde se encontram algumas das montanhas mais altas do país, com parques nacionais e áreas de preservação e cuidado de elefantes. Chiang Mai abriga, ainda, muitas escolas de gastronomia, massagens, meditação, budismo e muay thai.

De Chiang Mai seguimos para o Vietnã, país socialista que após um longo tempo de guerra abriu as portas para os turistas oferecendo um povo acolhedor e carinhoso, além de preços muito camaradas. Nosso roteiro incluiu três cidades: Hanói (a capital do país, onde se vê aquelas cenas clássicas de motos em toda direção, multidões e muito caos), Baía de Halong Bay (principal atração do país e uma das 7 Maravilhas Naturais do mundo) e Ho Chi Minh ( a maior cidade e de onde saem passeios para conhecer os túneis onde os vietnamitas se refugiavam durante a Guerra ou uma visita o Delta do Rio Mekong). Muita coisa ficou de fora: o Vietnã merece uma viagem só para ele. Voltaremos!

Por fim, uma parada relâmpago de três dias no Camboja, na cidade de Siem Reap, onde está o Parque Arqueológico de Angkor, com mais de 100 templos e 400km2 de área. O lugar é herança do Império Khmer, civilização que dominou grande parte do Sudeste Asiático entre os séculos IX e XV d.C. Entre os templos mais famosos estão Angkor Wat, o maior monumento religioso do mundo, e Angkor Thom, a última capital do império. Em 1992, o complexo foi declarado pela UNESCO Patrimônio da Humanidade.

 

*Roteiro elaborado pela Giro Turismo.