Select Page

Uma sociedade alternativa perto daqui

Uma sociedade alternativa perto daqui

O pós-graduando, Bruno Emílio Moraes, 33 anos, servidor da Universidade Federal do Pampa (Unipampa), lança hoje, às 19h, no Salão de Eventos da universidade, o livro Educação Ambiental Desde Baixo: o cotidiano das comunidades utópicas. O evento terá exposição fotográfica, show musical de Darlan Freitas (MPB), sessão de autógrafos e venda do livro a R$ 45,00.

A obra é imersão etnográfica – estudo descritivo da cultura dos povos –, que trilha novos caminhos teórico-metodológicos para se pensar e fazer a educação ambiental.

A institucionalização desse campo, junto às esferas burocráticas do Estado, tem ameaçado a capacidade de enfrentamento das injustiças socioambientais que se alastram pelo País. Mesmo as correntes consideradas críticas seguem pensando políticas “desde cima”, isoladas no espaço da academia e nas normativas governamentais. Diante desse cenário, este livro vem refletir sobre uma educação ambiental pensada e vivida “desde baixo” – no cotidiano das comunidades utópicas –, ou seja, a partir de experiências sociais concretas que desafiam os limites instituídos pela modernidade capitalista.

Segundo a descrição da Appris Editora, é uma perspectiva que nasce do mundo vivido, indissociável do cotidiano e que oferece novas possibilidades para pensarmos uma educação ambiental de caráter contra-hegemônico.

Permacultura, ecovilas, anarquismo, tecnologias sustentáveis, teoria da complexidade e decolonialidade são alguns temas que compõem as reflexões tecidas nas páginas do livro.

– O livro de 183 páginas mostra como é essa experiência, o processo de aprendizagem, relações humanas, dividir tarefas, enfim, como é viver em uma comunidade que não tem um líder, um chefe – disse.

Segundo Bruno, o livro é fruto da sua dissertação de mestrado em educação ambiental e apresenta experiências vividas por ele e sua família nas sociedades alternativas Comuna Pachamama, de São Gabriel e a Ecovila Arca Verde, São Francisco de Paula.

Comuna Pachamama está localizada em São Gabriel           (Foto: Bruno Moraes / Arquivo Pessoal)

COMUNA PACHAMAMA
A Comuna Pachamama, localizada no distrito de Catuçaba, faz parte da Rede de Comunidades Autogestionárias, é vinculada à CSP-Conlutas e reúne 20 integrantes que, por sua vez, integram o Assentamento Madre Terra, que assenta 88 famílias. A Comuna tenta reproduzir uma sociedade sem classes, sem exploração, onde não haja a divisão entre trabalho manual e intelectual ou por questões de gênero.

Segundo o site da Sedufsm, no seu cotidiano, a Comuna Pachamama trabalha questões como o socialismo libertário e a educação libertária, práticas autogestionárias e o feminismo anticapitalista. Ainda que não consigam se desvincular do mercado, onde compram e vendem alguns insumos dos quais dependem para a manutenção da Comuna, os integrantes produzem seus próprios alimentos de maneira orgânica.

ECOVILA ARCA VERDE
Segundo o site do Instituto Arca Verde, a ecovila tem o objetivo de ser um ponto de aglutinação de talentos, conhecimentos e vibrações positivas na construção e promoção da vida sustentável. A missão é criar um terreno fértil para que a Natureza seja plena em sua abundância e as pessoas empoderadas em seus dons e sua espiritualidade pessoal, realizando novas ideias e tecnologias ecológicas, econômicas e sociais.

Aprender uns com os outros e com os sistemas naturais, trabalhar com arte, amar com liberdade, dedicar nossas vidas à divulgação da permacultura e dos valores da ecologia profunda são as bandeiras da Arca.

Por Marcelo Marques / Gazeta de Caçapava
Fotos: Arquivo Pessoal /  Divulgação

Sobre o(a) Autor(a)

Previsão do Tempo

TV Gazeta – Mil Edições