As lavouras de milho no Estado foram beneficiadas com o retorno da umidade no solo no último período, recuperando em muitas áreas seu potencial produtivo. De acordo com o Informativo Conjuntural da Emater, divulgado na quinta-feira (04), a fase de desenvolvimento vegetativo se apresenta em 21%. Parte da cultura implantada no cedo já se encontra em colheita, atingindo 7% da área estimada. O restante da cultura, cerca de 60%, avança rapidamente para a maturação final, atingindo 12%. Já nas áreas semeadas no final de setembro, o potencial produtivo poderá ter pequena redução.

A soja encontra-se na fase de desenvolvimento vegetativo (84% da área cultivada); sendo que 15% atingiram a floração e, em áreas muito adiantadas (soja do cedo), a cultura já está em enchimento de grãos (1%), beneficiadas pelas precipitações dos últimos dias. Os agricultores estão aplicando fungicidas e inseticidas químicos. Até agora não há ocorrência de fungos do solo. Observam-se algumas áreas com lavouras em dificuldade no controle de invasoras, pois no momento correto de aplicação de herbicidas não havia condições meteorológicas adequadas para tal.

Está encerrada a fase de implantação das lavouras de arroz no Rio Grande do Sul e o momento predominante é o de desenvolvimento vegetativo. Em algumas localidades, as noites mais frias têm segurado o desenvolvimento vegetativo normal do cultivo. As áreas com semeadura de sementes pré-germinadas já receberam adubação nitrogenada e irrigação. Nesta safra, os orizicultores devem estar mais atentos para o manejo da irrigação, pois com a indicação do fenômeno La Niña, mesmo que moderado neste verão, é necessário movimentar o mínimo possível a água nos quadros e manter uma lâmina mais baixa para poupar água.

A lavoura de feijão 1ª safra, em geral, vem evoluindo rapidamente para as fases de maturação e colheita, com potencial produtivo de regular a bom, apresentando boa qualidade dos grãos. No decorrer dos anos, o perfil dos produtores de feijão de primeira safra vem se modificando. Cultivado em pequenas áreas pela agricultura familiar, nota-se que o plantio desta cultura atualmente aumenta em áreas mecanizadas e entre produtores empresariais.

Assessoria de Imprensa da Emater